Divã Veterinário
Doenças

Entendendo a CINOMOSE

Mayra Catharino9 comments1615 views

A cinomose é uma doença que já marcou negativamente muitas famílias. Tudo isso por conta de sua alta mortalidade, cerca de 50% dos cães diagnosticados com essa enfermidade vão a óbito.

Muitos leitores já passaram maus momentos com essa moléstia e, diante disso, resolvi juntar informações importantes acerca da cinomose.

cinomose 1

Trata-se de uma doença viral contagiosa, ou seja, transmite de um animal para outro. Acomete muitas espécies, entre elas guaxinins [1], furões [2], texugos [3], cangambás [4], hienas [5]‍, ursos panda [6], pandas-vermelhos [7], focas [8], civetas [9], leões [10], tigres [11], jaguares [12], leopardos [13], raposas [14], lobos-guará [15], dingos [16] e cães. Geralmente os filhotes são os mais acometidos, devido seu sistema imune ainda estar em desenvolvimento.

A infecção de gatos domésticos parece não ser patogênica, ou seja, apesar de ter o vírus circulante, o animal não apresenta a enfermidade, embora o vírus possa causar doença grave em grandes felinos selvagens.

cinomose 2

Os furões, também conhecidos como ferrets, são os animais mais suscetíveis a esse vírus, podendo chegar a níveis de morbidade e mortalidade de 100%. – Morbidade é o número de indivíduos em uma população que contraem a doença e mortalidade é o número de infectados que morrem.

cinomose 3

A transmissão acontece por via aerógena e os animais infectados – tanto os que demonstram sintomas, quanto os que não – expelem o vírus nas excreções corporais, como por exemplo urina, saliva, secreção respiratória etc.

O agente viral ataca principalmente o sistema imune do animal, debilitando muito as defesas corporais. Com isso, surge uma série de infecções secundárias, ocasionadas por agentes oportunistas.

cinomose 4

Os sintomas mais comuns da cinomose, são:

  • Febre.
  • Secreção nasal e ocularinicialmente translucidas, mas após infecções secundárias se tornam purulentas
  • Tosses, espirros – devido a broncopneumonia por bactérias oportunistas.
  • Depressão – animal fica apático, triste.
  • Anorexia – indivíduo deixa de comer e consequentemente apresenta emagrecimento progressivo.
  • Diarreia e vômitos – acentuados pelas infecções secundárias.
  • Ataxia (incoordenação), paresia (perda parcial dos movimentos de algum mebro), paralisia (perda total dos movimentos de algum membro), tremores musculares, mioclonias (contrações involuntárias dos músculos) e crises epiléticas – sinais graves que aparecem em casos onde a doença já está avançada e atinge o sistema nervoso central. Os raros animais que felizmente recuperam desse quadro, geralmente ficam com sequelas para o resto da vida.
  • Focinhos e coxins (“almofadinha”da pata) endurecidos (hiperqueratose) – mais comuns em animais que não apresentam sintomas (assintomáticos).

cinomose 5

O que torna a cinomose uma doença tão temida, com níveis altos de mortalidade, é ausência de um remédio (antiviral) que seja eficiente para esse tipo de vírus. Infelizmente os pesquisadores necessitam continuar suas buscas.

Logo, o tratamento é apenas sintomático, ou seja, só podemos combater os sintomas que o animal apresenta, controlar as infecções secundárias e dar um suporte nutricional para que o próprio sistema imune combata o agente viral. O médico veterinário é importantíssimo, pois só ele possui o conhecimento necessário para identificar os diversos sintomas e tratá-los de maneira segura. – Mas não podemos fazer milagres, tudo depende da resposta imune do animal.

cinomose 6

No meio de tanta coisa ruim, tenho uma boa notícia!

A prevenção da cinomose canina é bem fácil e consiste na vacinação. As vacinas mais utilizadas são as múltiplas, também conhecidas como V8 e V10. Esse nome é devido a proteção contra algumas doenças, como cinomose, leptospirose etc. – Lembrando que o filhote deve tomar a primeira dose com 6 a 8 semanas de vida e um reforço a cada 3 semanas até completar 14 semanas de vida (um total de 3 doses). E cães adultos devem tomar reforços dessa vacina anualmente.

Existem outras vacinas para a prevenção da cinomose canina. Se quiserem faço um post só sobre isso, ok?! É bom deixar claro que furões também tomam outra vacina, pois eles são muito sensíveis ao vírus, mesmo quando atenuados.

cinomose 7

E por hoje é isso, um resumão com as principais informações sobre a cinomose. Espero ter dado um noção básica sobre a doença e principalmente como preveni-la. Caso queiram outros posts com mais informações, só pedir. Sugestões de outros temas também são mega bem-vindas.

Um SUPER beijo e até a próxima!


Literatura utilizada:

  1. TILLEY, L. P.; SMITH Jr., F. W. K. Consulta Veterinária em 5 Minutos: Espécies Canina e Felina. 3. ed. Barueri: Editora Manole, 2008. p. 224-225. Tradução Prof. Dr. Cid Figueiredo, Drª. Fabiana Buassaly e Drª.Idília Ribeiro Vanzellotti.
  2. JERICÓ, M. M.; Andrade Neto, J. P. de; KOGIKA, M. M. Tratado de Medicina Interna de Cães e Gatos: Volume I. 1. ed. Rio De Janeiro: Editora Roca, 2015. p. 805-807.
  3. FLORES, E. F. Virologia Veterinária. Santa Maria: Editora UFSM, 2007. p. 674-677.
  4. MARTINS, D. B.; LOPES, S. T. dos A.; FRANÇA, R. T. Cinomose Canina: Revisão de Literatura. Acta Veterinária Brasilica, Mossoró, v. 3, n. 2, p. 68-76. 2009. Acesso em: 02/03/2016 – Download aqui.

Direitos Autorais das imagens | Copyright – clique aqui

Redes Sociais do Divã Veterinário: Facebook | Instagram | Twitter | Youtube

Mayra Catharino
Médica Veterinária pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), apaixonada por fotos e bichos. Enxergou na internet a oportunidade de ajudar pessoas e pets, se encantando pela blogosfera, criando assim o Divã Veterinário. Para saber mais, clique aqui

9 Comments

  1. Tenho uma cadelinha de 3 meses e não vacinei quando menor , e ontem pela noite ela vomitou 2 vezes e numa dessas quando vomitando ela caio deitada e não levantava ai coloquei ela na cama e ali ficou o olhinho começou a revirar e a respiração ficou mais fraca e a linguá para fora , o que poderia fazer o problema é que não tenho condição de levar ela em um veterinário particular , queria muito poder fazer algo por ela pois não quero perde-la . Agora pela tarde minha sogra que esta com ela disse que ela não comeu mais ração e só tomou leite

    1. Olá, Camila!

      Infelizmente não posso lhe ajudar e nenhum médico veterinário poderá lhe ajudar via internet. Não é má vontade, mas sim porque realmente é impraticável. O diagnóstico de uma doença é igual um quebra-cabeça e conseguimos cada peça através do exame físico do animal, do histórico, de exames complementares (como por exemplo: exame de sangue, raio-x, ultrassom e por aí vai), além da resposta à terapia. Cada passo desses nos dá uma informação e que juntas nos indicam uma suspeita. Além disso, algumas doenças são muito parecidas, com sintomas semelhantes e só com exames aprofundados conseguimos distingui-las.
      Outra coisa importante é que o jeito que olhamos para o animal é diferente… Existem, por exemplo, tosses diferentes, diarreias com aspectos específicos e somente examinando o paciente que conseguimos saber do que se trata… Você pode me contar que seu cachorro vomita, mas eu preciso saber como é o vômito.
      E por tudo isso, o diagnóstico e tratamento de doenças via internet é impossível. Fazer isso, seria arriscar a vida do animal, além de ser ilegal.
      Sinto muito não poder auxiliar.
      Você precisa levá-lo em uma clínica ou hospital veterinário. Existem ONG’s que podem auxiliar e hospitais vinculados à faculdades que possuem um preço acessível. Outra forma é fazer vaquinha com os amigos e arrecadar o dinheiro (eu já paguei várias cirurgias de animais de rua assim).Espero que você leve seu pet logo em um médico veterinário para que ele logo possa ser atendido, diagnosticado e tratado.

      Abraços!

  2. o perdi minha beagle faz umas 4 semanas e como estava muito triste e chorando quase todos dias sentindo sua falta uma amiga conseguiu outro filhote eu iria esperar uns 6 meses para ter outro estou fazendo a limpeza com agua sanitária será que posso pegalo obrigada

    1. Olá, Silvia!

      Se o seu beagle veio a falecer de cinomose e só esta doença, 4 semanas são o suficiente.
      Antes de pegar o animal, sugiro uma limpeza com Herbalvet (atenção para a diluição correta, pois o produto é concentrado e muito forte). Também sugiro que os estofados (como sofá, almofadas e colchões) e os tapetes sejam expostos ao Sol, pois a luz UV inviabiliza as partículas virais.
      Lembrando que todas essas ações são para minimizar ao máximo a possibilidade dele contrair a doença na sua casa, mas na veterinária, como qualquer área biológica, não podemos dar 100% de certeza.
      Também vale a pena lembrar que o novo filhote não deve ter contato com a rua e outros cães até tomar as três doses de vacinas, seja através de passeios ou de portões que dão acesso à rua (animais de rua podem entrar em contato com o filhote através do portão e assim transmitir doenças).

      Espero ter esclarecido suas dúvidas.
      Abraços!

    2. Ola obrigada por ter me ajudado mais queria saber mais uma coisa tenho que dar as tres doses da vacina para depois trazelo pra cá ou dando a primeira ja posso trazelo e sobre a limpeza esse hebalvet e so para o patio e dentro de casa o que devo usar agua sanitári obrigada doutora pela atenção

    3. Deve usar HerbalVet em tudo.
      Em relação as vacinas, depende muito. Se o animal estiver em um abrigo não muito bom, em condições não aconselháveis, é melhor levar para sua casa. Mas se ele estiver em um ambiente limpo, com alimentação e cuidados adequados, seria bom esperar no mínimo até a segunda dose. Mudanças de ambientes geram estresse e o estresse causa queda das defesas do corpo do animal.
      Espero ter esclarecido suas dúvidas.

      Abraços!

    4. Ola doutora obrigada por ter me ajudado mas gostaria de saber se tenho que fazet as 3 vacinas no filhote antes de trazelo pra casa ou a primeira já posso trazelo e na limpeza da casa se água sanitária já é o suficiente

  3. Tive um cachorrinho borderie colie com 6 meses que teve cinomose, por falta de vacinação, não conseguimos salvá-lo ele foi diagnósticado tardiamente. Adotamos outro cachorrinho que também pegou a doença porque ficou em contato com o mesmo local do borderie colie e segundo nosso veterinário o vírus fica por 6 meses no local. A medicação foi o cinoglobulina um soro que minimizou o sofrimento, seu texto é ótimo para alertar sobre a vacinação preventiva e a necessidade da mesma ser feita nos 3 primeiros meses de vida.

    1. Olá Ingrid,

      Prmeiramente meus pêsames pelo seu Border Collie. Sinto muito mesmo!
      Em relação a persistência do vírus no ambiente, se não me engano, não é tão grande. O vírus da parvovirose que é mais resistente. Isso tem a ver com a composição e estrutura do vírus em si. Irei buscar referências e fazer um post sobre os cuidados que devemos ter em casos como o seu. Já está nas minhas próximas pautas. Acho importantíssimo falar sobre isso.
      Muito obrigada pelo carinho e pelo comentário.

      Abraços!

Gostou? Então comenta!