Divã Veterinário
Doenças

Entendendo a Doença Periodontal

Mayra Catharino1 comment407 views

Muitos tutores, até mesmo os mais dedicados, esquecem de um ponto muito importante na saúde de um animal: A saúde oral. Os cuidados com a higiene da boca são tão negligenciados que cerca de 85% dos cães com mais de 6 anos são acometidos pela doença periodontal, uma enfermidade importante que traz muitas consequências ruins para a vida dos pets. – Os gatos também sofrem com essa afecção!

dog-mucosa

Tudo inicia com a adesão de algumas bactérias ao esmalte do dente, formando a chamada placa bacteriana. Com a formação dessa placa, outras bactérias (que não possuem capacidade para se aderir ao esmalte) conseguem se unir a esta. – O esmalte é o revestimento externo e branco do dente.

A presença da placa bacteriana estimula o sistema imune, causando uma inflamação no local. Inicialmente temos a inflamação da gengiva (gengivite), que é considerado por muitos o primeiro estágio da doença periodontal.  O quadro inflamatório vai se agravando até atingir as estruturas periodontais, causando então a periodontite. – A doença acomete animais adultos, pois a evolução é lenta e gradativa.

Periodonto é o nome dado as estruturas que dão sustentação e estabilidade ao dente. São elas o cemento (a cobertura da raiz do dente), osso alveolar (onde o dente está inserido), ligamento periodontal (o que une o cemento ao osso) e a gengiva. Essas estruturas são muito acometidas pela inflamação, daí surgiu o nome doença periodontal.

DentalVet-RJ-dente

O ponto chave dessa enfermidade é a inflamação, pois é a resposta imune que causa os maiores estragos. As bactérias são apenas o gatilho dessa problemática.

Algumas consequências da doença periodontal:

  • Sensibilidade dolorosa – E por conta disso o animal pode mudar seus hábitos alimentares, reduzindo o apetite ou selecionando o alimento.
  • Sangramentos
  • Mobilidade dentária
  • Perda dentária
  • Reabsorção óssea
  • Fraturas – Devido ao enfraquecimento ocasionado pela reabsorção. Ocorre principalmente na mandíbula.
  • Inflamação da polpa (parte interna) do dente.
  • Comunicação oronasal – A boca e o nariz são separados por uma fina camada óssea. A perda dentária ou a reabsorção óssea podem criar uma comunicação. Com isso alguns sinais como corrimento nasal e espirros podem ocorrer.
  • Problemas sistêmicos – Em casos graves, as bactérias invadem a corrente sanguínea e acabam por se instalarem em alguns órgãos. Os mais comuns são os pulmões, corações, rins e articulações. Ao se fixarem nesses locais geram doenças graves colocando em risco a vida do animal.

E a coisa mais horrorosa da doença periodontal é que ela é irreversível. Quando a inflamação atinge o periodonto, os danos gerados não podem ser recuperados. Com inúmeros estudos científicos, até hoje só se conseguiu estacionar o quadro, impedindo que novos danos apareçam. – Um exemplo muito comum são os animais que tiveram que retirar parte da mandíbula, pois a fratura patológica não permite uma fixação.

923704_521784667954823_1252323407_n

Os sinais dessa enfermidade depende do grau de acometimento e se algum outro órgão foi afetado. Os sintomas mais comuns nos estágios iniciais são mau hálito, mobilidade ou perda dentária, apetite caprichoso (animal que seleciona o alimento), redução do apetite, sangramento.  – Diferente do que muitas pessoas pensam, o mau hálito não é algo normal dos animais. Cães e gatos não devem ter “bafos”!

Mas fique calmo, tenho uma ótima notícia. Apesar do tratamento ser limitado, a prevenção da doença é muito simples! A escovação diária é muito fácil de ser introduzida e evita a formação da placa bacteriana, que é onde tudo começa.

0104_cachorro_pso_destaque

Outra opção é a limpeza profissional que pode ser realizada de tempos em tempos. Ela é recomendada para retirar os cálculos dentários (que são as placas bacterianas mineralizadas), pois não é possível retirar com a escovação. E em casos de animais ariscos que não aceitem escovar os dentes. Porém deve se tentar ao máximo a profilaxia doméstica, pois para realizar a limpeza profissional é necessário anestesiar o paciente.  – E toda anestesia tem seu risco, mesmo que mínimo.

E por hoje é isso! Esse texto foi apenas uma explicação muito simplificada do que é a doença periodontal. Espero que tenha atingindo meu objetivo: Deixar os tutores cientes dessa enfermidade e sua simples e necessária profilaxia (escovação). – Em breve farei um vídeo só sobre escovar os dentes, aguardem!

Não esqueçam de compartilhar a matéria com seus amigos ou nas suas redes sociais para me ajudar a levar essa informação à outros tutores!

Um SUPER beijo e até a próxima!


Referências Bibliográficas:

  1. ETTINGER, S. J.; FELDMAN, E. C. Tratado de Medicina Interna – Doenças do cão e do gato. 5. ed. 2 V. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro 2004. 2236p.
  2. SILVA, V.R; Doença Periodontal em Cães – Revisão de Literatura. Porto Alegre, RS. UFERSA. 2009. – download aqui.

Redes Sociais do Divã Veterinário: Facebook | Instagram | Twitter | Youtube

Direitos Autorais das imagens | Copyright – clique aqui

Mayra Catharino
Médica Veterinária pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), apaixonada por fotos e bichos. Enxergou na internet a oportunidade de ajudar pessoas e pets, se encantando pela blogosfera, criando assim o Divã Veterinário. Para saber mais, clique aqui

1 Comment

  1. Olá! Já vi tutores utilizarem o removedor de tártaro gel nos dentes do cão todos os dias como forma de prevenção. Qual o risco desse procedimento? Grata!

Gostou? Então comenta!