Divã Veterinário
Plantas

Plantas tóxicas: Azaleia

Mayra Catharino891 views

Plantas tóxicas já foi um tema abordado aqui no Divã Veterinário com uma visão geral, falando de modo bem sintetizado sobre as diversas plantas ornamentais que causam intoxicação em pequenos animais.
Porém, quero trazer matérias um pouco mais específicas, com mais fotos e detalhes, para que assim as pessoas consigam identificar de maneira mais precisa tais plantas e os sintomas da intoxicação proveniente delas.

O primeiro gênero de planta que vou abordar são as Rhododendrons, mais especificamente a Rhododendron Pentanthera e a Rhododendron Tsutsusi, conhecidas como Azaleias.

azaleia 1
Chamadas também de Azaleia-anã, Azaleia-da-Califórnia, Loureiro-branco ou Rododendro.

É uma planta ornamental comum nas casas e apartamentos, seja em jardins ou em vasos. Muito presente na cidade de São Paulo, pois a flor foi decretada símbolo paulistano, pelo prefeito Jânio Quadros, em 1986.azaleia 2

As azaleias são tóxicas devido um composto chamado andrometatoxina, um glicosídeo cardiotóxico. Essa substância inibe a Na+/ K+ ATPase, também conhecida como bomba sódio-potássio, que é extremamente importante para células nervosas, musculares e cardíacas.

Todas as partes da planta contém o glicosídeo cardiotóxico e causam intoxicação pela ingestão. Até o pólen da azaleia contém, o que inviabiliza a utilização do mel proveniente dessas flores. – Não há muito com o que se preocupar, pois não é o tipo de flor atrativa para abelhas, elas só utilizam caso não haja outra opção.

Os sintomas da intoxicação pela andrometatoxina dependem da quantidade ingerida e de quanto tempo se passou da ingestão. São eles:

  • Taquicardia (aumento dos batimentos cardíacos)azaleia 3
  • Bradicardia (diminuição dos batimentos cardíacos)
  • Bloqueios cardíacos (alterações anormais no ritmo ou frequência dos batimentos cardíacos)
  • Fibrilação atrial ou ventricular (arritmia caracterizada por curtas, sucessivas e ineficazes contrações)
  • Pulso irregular
  • Anorexia (o animal recusa alimento)
  • Tenesmo (defecação com presença de dor)
  • Vômitoazaleia 4
  • Sialorreia (produção excessiva de saliva)
  • Epífora (lacrimejamento involuntário e excessivo)
  • Hipotensão (baixa da pressão arterial)
  • Dispneia (dificuldade de respirar)
  • Depressão respiratória
  • Hipotermia (queda da temperatura corporal)
  • Fraqueza muscular
  • Convulsão
  • Estupor (inconsciência com perda da sensibilidade ao meio e das reações motoras)
  • Coma

Os sinais de intoxicação costumam aparecer cerca de horas após a ingestão.
Essa planta é considerada altamente tóxica e pode levar animais e seres humanos à morte.

azaleia 5
Antes de tomar qualquer atitude, lembre-se que a planta também é um ser vivo e merece ser tratada com amor.

Há várias medidas que podem ser tomadas afim de evitar incidentes com a azaleia. Você deve levar em conta a espécie, comportamento e idade do animal.

Uma opção é colocar a flor em locais altos, como prateleiras ou até mesmo fixar seu vaso na parede. Isso funciona muito bem para cães! É importante se precaver quando se tem filhotes em casa, pois tendem a morder e comer de tudo, principalmente na época de erupção dentária (nascimento dos dentes).

Outra opção é restringir o acesso ao local onde a planta está e isso é válido para os felinos, já que altura não é obstáculo para essa espécie. E gatos geralmente procuram plantas para auxiliar na expulsão das bolas de pelo, provenientes do hábito de se higienizar com a língua.

Pets com ambientes sem estímulos e brincadeiras, sem enriquecimento ambiental, podem destruir as coisas com intuito de ter alguma atividade. Isso é bem frequente e um dos alvos comuns são as plantas. Então uma opção é enriquecer o ambiente, disponibilizando brinquedos certos para morder.

E se seu mascote for demasiadamente arteiro, é válido dar a plantinha para alguém.

azaleia 6

Caso suspeite que seu animal esteja passando mal devido a ingestão dessa planta, leve-o IMEDIATAMENTE ao médico veterinário.  Não existe antidoto, somente o tratamento e controle dos sintomas (que já deu para reparar que são muito graves). O médico veterinário é o profissional que tem conhecimento e prática para salvar a vida do seu pet.

E por hoje é só!

Um SUPER beijo e até a próxima!


Literatura utilizada:

  1. RIBOLDI, E. O. Intoxicações em pequenos animais: Uma revisão. 2010. 118f. Monografia apresentada à Faculdade de Veterinária na área de Toxicologia Clínica como requisito parcial para obtenção da Graduação em Medicina Veterinária. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2010. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/39019>. Acesso em 27 set. 2016.
  2. NORTH CAROLINA STATE UNIVERSITY. Rhododendron spp. Disponível em: <https://plants.ces.ncsu.edu/plants/all/rhododendron-spp/>. Acesso em: 27 set. 2016.
  3. AMERICAN RHODODENDRON SOCIETY. Botanical classification. Disponível em: <http://www.rhododendron.org/classification.htm>. Acesso em: 27 set. 2016.
  4. FOLHA DE SÃO PAULO. Conheça a azaleia: Flor símbolo de SP e originária da Ásia. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/saopaulo/2014/09/1518764-conheca-a-azaleia-flor-simbolo-de-sp-e-originaria-da-asia.shtml>. Acesso em: 27 set. 2016.

Redes sociais do blog: Facebook ♥ Instagram ♥ Twitter ♥ Youtube.

Direitos Autorais das imagens | Copyright – clique aqui.

Mayra Catharino
Médica Veterinária pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), apaixonada por fotos e bichos. Enxergou na internet a oportunidade de ajudar pessoas e pets, se encantando pela blogosfera, criando assim o Divã Veterinário. Para saber mais, clique aqui

Gostou? Então comenta!