Divã Veterinário
Locais e Serviços

Turismo 4 Patas: Aventuras divertidas, momentos inesquecíveis

Mayra Catharino2 comments332 views

Mais um ano novo começa! A maioria das pessoas aproveita esse sentimento de recomeço para definir novas metas ou até mesmo redefinir aquele projeto que não saiu do papel. E você? Já traçou seus objetivos?

Seu amigo peludo está em algum dos seus planos? Não?! Tenho uma ótima dica para esse ano que está chegando: Coloque como objetivo novos passeios junto com seu animal de estimação! E não estou falando de mais voltas no quarteirão… Estou falando de aventuras inusitadas, momentos divertidos com outros cães e open de Natureza. Estou falando do Turismo 4 Patas!

Pets 22 (4)B

A T4P é uma empresa que planeja uma série de roteiros para entreter humanos e peludos. Acompanho o trabalho maravilhoso da Lari que super topou uma entrevista para o Divã Veterinário. Bora conhecer um pouco mais desse serviço sensacional?

  • O que é o Turismo 4 Patas?

Larissa: A Turismo 4 Patas é uma empresa que tem como missão, promover e facilitar a inserção dos animais de estimação na vida social das suas famílias. E, para isso, nos especializamos em tudo o que diz respeito ao turismo animal. Ou seja, roteiros de viagens adequados aos mascotes, locais pet friendly, atividades de ecoturismo e esportes de aventura adaptados para animais, dicas de segurança, bem-estar e diversão envolvendo estes momentos de lazer. Trabalhamos tanto com o público final (tutores de pets), como também com o mercado profissional através da qualificação dos estabelecimentos que os recebem.

  • Como surgiu a ideia do T4P?

Larissa: Eu costumo dizer que a T4P não nasceu de um plano de negócios. Ela nasceu de um caldeirão de misturas. Coloquei uma pitada de formação educacional (sou formada em Turismo), uma colherada de experiência profissional (trabalhei com a produção de grandes eventos durante mais de 10 anos), salpiquei uma grande paixão (sempre foi apaixonada por animais) e, através de uma boa pesquisa de mercado, descobri que o Brasil possuía um grande público carente de opções para aproveitar seu tempo com seus mascotes, mas não havia nenhuma empresa para atende-los. Tudo isso compôs a estrutura da T4P.

Mas o que deu o clique principal mesmo foi a entrada da Cléo (uma Golden Retriever), minha filhota peluda, em minha vida. Ela veio para ser minha grande companheira de todas as horas, e é claro que eu não queria deixá-la para trás sempre que partisse para uma viagem. Foi por causa dela, dessa nossa necessidade, que eu enxerguei essa oportunidade de negócio. E foi graças a ela e com a sua ajuda que a T4P foi tomando a forma que tem hoje. Estamos no mercado desde 2007. Portanto, somos pioneiros e plantamos a sementinha que hoje vemos brotar a passos acelerados no país.

Patas na Trilha 6 (128)B

  • Os tutores e seus pets podem vivenciar quais tipos de aventuras?

Larissa: Praticamente todos os tipos de aventura podem ser vivenciados por pets e tutores, juntos. Desde que se conheça e respeite os limites dos animais. Isso é o mais importante!!! Nunca, jamais, devemos submeter nosso mascote a uma atividade que lhe cause medo ou possa traumatizá-lo. Há casos de cães que saltam de paraquedas, fazem rapel e muitas outras atividades radicais. Mas estes animais são acostumados aos poucos, desde pequenos e têm o perfil adequado para cada atividade. Normalmente, as aventuras mais indicadas para a maioria são trilhas, passeios de stand up paddle, boiacross e rafting… e, mesmo assim, com certos cuidados e adaptações para que sejam realizados com segurança para os animais.

  • Quais as principais vantagens desses passeios?

Larissa: Além da diversão e do prazer de desfrutar da liberdade e do convívio com a natureza, é uma grande oportunidade de socialização entre os animais e entre os humanos. É um momento onde o tutor pode aproveitar para estreitar a relação com o seu pet, fortalecer os laços e estabelecer a confiança mútua. Temos vários relatos de pessoas que mudaram as relações que tinham com seus pets, depois de participarem das nossas aventuras.

10485902_697244036991341_2836473223129429306_nB

  • Quais espécies de pet podem participar?

Larissa: Até o momento só trabalhamos com cães. Pelo próprio perfil social do animal, que gosta de viver em grupo, socializar, brincar e nadar. Aceitamos quaisquer raças ou porte, desde que atendam aos critérios mínimos de condições de saúde e socialização.

  • Quais cidades o T4P atua?

Larissa: Até o momento, atuamos em São Paulo (capital), Juquitiba, São Lourenço da Serra, Atibaia, Jundiaí, Peruíbe, Natividade da Serra, Monte Alegre do Sul, Francisco Morato, Nazaré Paulista. Em 2016, estaremos também no RJ.

  • Como fazer para participar?

Larissa: Nosso calendário de eventos está sempre atualizado em nosso site. Basta consultar as aventuras com “Inscrições em Aberto” e efetuar as reservas lá mesmo. Todo o processo de inscrição é feito através do site. Cada evento possui um página com descrição do roteiro, imagens, o que está incluso no pacote, etc… Mas, se houver alguma duvida adicional, estamos a disposição através do e-mail: eventos@turismo4patas.com.br

Nossos perfis nas redes sociais – Facebook, Instagram e Twitter – estão sempre divulgando novas datas e roteiros. Tem que ficar ligado pois as vagas são limitadas e esgotam-se rapidamente!

supets (3)B

  • Seu emprego parece ser o trabalho dos sonhos, mas o que muita gente não vê é o trabalhão por trás de cada evento. Conta pra gente as melhores e as piores coisas de trabalhar com turismo para pets.

Larissa: É verdade!!! É o emprego dos sonhos sim, é extremamente prazeroso. Mas é também uma responsabilidade gigantesca, pois estamos lidando com algo de valor incalculável para as pessoas que participam: Seus animais de estimação. E, muitas vezes, estes animais são os “filhos” destas pessoas, elas estão ali por causa deles, para eles. E é por isso que nós dizemos que o nosso cliente é o cão. É para ele que damos a nossa maior atenção, ele é o nosso foco e é nele que pensamos quando montamos um roteiro ou atividade. O nosso objetivo final é ele se divirta com segurança.

E nenhuma atividade, especialmente quando se trata de ecoturismo e aventura, é 100% segura. Se você considerar ainda que estamos lidando com grupos de 35 ou mais cães de portes e temperamentos diferentes, vai ver o quão importante é termos uma estrutura sólida e bem planejada para trabalharmos com o mínimo percentual de risco.

Nossa experiência, principalmente nosso pioneirismo, e nossa seriedade profissional é o que nos dá essa segurança. Temos regras estabelecidas e somos bastante rígidos em relação a elas. Às vezes, as pessoas não compreendem o porquê das regras, alguns participantes relutam em atender, o que dificulta um pouco o nosso trabalho. Mas é graças a esta nossa postura e conduta que conseguimos estar no mercado há tanto tempo, realizando tantas aventuras diferentes, sem nenhum dado estatístico assustador. Alguns incidentes aconteceram, mas estávamos preparados para agir e solucionar da maneira correta e no tempo certo.

Imagine o peso de trabalhar com uma relação tão valiosa?! Imagine acontecer algo com um desses cães, por mínimo que seja?! Eu, como tutora de duas peludas lindas e como uma apaixonada por animais, também me envolvo emocionalmente com meus clientes e não me perdoaria se algo acontecesse. Então, acho que está ai a parte negativa do trabalho… A grande responsabilidade pela vidinha de cada um deles. E, para garantir isso, há um trabalho imenso, que não acontece somente no dia do evento. Um evento se planeja e organiza antes, durante e depois.

E sem falar que a Turismo 4 patas não faz somente os eventos. Temos os treinamentos, consultoria e selo para estabelecimentos pet friendly; dou palestras, escrevo textos para vários canais, tenho que administrar a empresa como um todo….

Mas, quer saber?! Vale muito a pena!!! Porque ver aquelas fuças sorridentes, correndo por todos os lados, não tem preço. Ver a gratidão nos olhos deles, o carinho e a amizade que se estabelecem entre os tutores e a nossa equipe, ver que o meu trabalho serve para melhorar essas relações e essas vidas… E eu ainda tiro várias “lasquinhas” desses peludinhos durante as aventuras… É mesmo o emprego dos sonhos.

Pets 11 (65_1) (101)B

E por hoje é só, meus amores! Espero que a entrevista tenha apresentado um pouquinho desse serviço incrível e atiçado a vontade de vocês de realizarem novos passeios com o peludo de vocês. Não esquece de comentar e me dizer se gostou!

Um SUPER beijo e até a próxima!


Direitos autorais das imagens: Todas as fotos foram retiradas do site do Turismo 4 Patas.

Redes Sociais do Divã Veterinário: Facebook | Instagram | Twitter | Youtube

Mayra Catharino
Médica Veterinária pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), apaixonada por fotos e bichos. Enxergou na internet a oportunidade de ajudar pessoas e pets, se encantando pela blogosfera, criando assim o Divã Veterinário. Para saber mais, clique aqui

2 Comments

  1. Olá gostei muito do seu blog, mas infelizmente meu comentário seria pra pedir ajuda, um conselho.
    Neste feriado de ano novo tive que viajar, e como não consegui ninguém, tive que deixar minha filha Buldog ingles chamada BOO, em uma clinica veterinária que possui hospedagem para cães. A Boo tem 2 anos, é ativa brincalhona, e bastante comilona, e sempre que possível está junto conosco sendo que essa foi a primeira vez que ficamos tanto tempo afastados. Enfim levei ela para a clinica dia 26/12/2015, conforme indicação e exigencia da da clinica, foi aplicado nela a vacina Vanguard plus, acho que a V10 para Cinomose, Adenovirus,Parainfluenza, Parvovirus, Coronavirus e etc. A vacina dela deste ano ainda não tinha sido aplicada. Ela ficou na clinica do dia 26/12 até o dia 04/01/2016. Ao pegar ela na clinica já percebi que ela estava tristinha, nem fez festa quando me viu, parecia acuada e assustada. Levei a pra casa e como ela estava fedida, resolvi dar um banho nela, percebi que ela estava com vários machucados, com feridinhas pequenas, com casquinhas, como se tivesse levado várias picadas, ou algo do tipo. Nessas pequenas feridas junto com as casquinhas, caia pelos também. Aliás elas voltou com bastante queda de pelos, pelo que sei é normal na raça, mas estava bastante controlado. Terminei o banho, e levei ela de volta a clinica onde pedi para o veterinário vê-la, ele disse que as feridinhas juntamente com a queda de pelos poderiam ser causados por stress pela saudade dos donos, e que ela deve ter ficado muito tempo deitada em cima das feridinhas, ocasionando pequenas inflamações nesses machucados e coceira. Ele receitou Prediderm para tratar as coceiras, e Rilexine 600 como antibiótico.
    Procedi conforme indicado, e a minha cãozinha começou então a ter diarréia forte, evacuando sangue junto, vomitando toda a ração que comia, ficando inclusive sem apetite, tristonha e sem comer. Liguei pro veterinário ele mandou parar com o prediderm, e disse que ela estava com sindrome de ansiedade de separação, e que era normal esses sintomas. Pesquisando percebi que os sintomas se parecem com Parvovirus, Coronavirus, porém ela foi vacinada no dia que a deixei na clinica, será que seria possível a vacina não ter feito efeito, e ela ter se contaminado no canil que a deixei? O que devo fazer, desde que a deixei e a peguei ela emagraceu 1 kg já.

    1. Olá Patrick,

      É muito complicado dizer assim, pois mesmo o tutor descrevendo, não é possível ter uma ideia do que está acontecendo, pois nada substitui o olho clínico do médico veterinário. Achei a história bem estranha, para ser sincera. O que eu aconselho é ir em outro veterinário, sem estar ligado a essa clínica. Uma segunda opinião é sempre bem-vinda em casos confusos ou com pouca explicação do profissional.
      Espero que isso possa te ajudar.

      Abraços!

Gostou? Então comenta!